Cardeal Dziwisz, secretário de Wojtyla: “Ele aceitou subornos para encobrir abusos”, acusa documentário exibido pela TV polonesa

Pedofilia na Igreja, até o secretário histórico do Papa João Paulo II esteve envolvido no escândalo: testemunhas o acusam de ter encoberto a violência em troca de suborno. O ex-secretário do Papa pede agora uma comissão independente para analisar os fatos. “Não faço isso para esconder a verdade, mas para dissecar escrupulosamente os fatos”.

A reportagem é de Gabriella Mazzeo, publicada por Fanpage, 10-11-2020. A tradução é do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

O escândalo de pedofilia na igreja polonesa também afetou o histórico secretário do Papa João Paulo II, o cardeal Stanislaw Dziwisz. Agora novos detalhes surgem: um documentário exibido na TV polonesa o acusa de encobrir os abusos durante anos. Um dossiê sugeriria que Dziwisz teria coberto tudo em troca de subornos, às vezes passados ​​pelos autores da violência. Agora ele está pedindo uma comissão para esclarecer os fatos. “Renovo a minha proposta de uma comissão independente para avaliar as atividades da Igreja nas questões abordadas pela Tvn24”, declarou o ex-secretário do Papa polonês logo após a apresentação do relatório.

A Tvn24 entrevistou algumas testemunhas, que afirmam que Dziwisz tinha laços com os Legionários de Cristo e com o ex-cardeal de Washington Theodore McCarrick. “Eu estaria disposto a colaborar com tal comissão e conto com ela para a transparência. Quero apresentar os fatos de forma escrupulosa” acrescentou o cardeal, argumentando que o mais importante é o bem das vítimas.

“As crianças e os jovens nunca mais devem sofrer as injustiças ocorridas no passado”, concluiu. O primeiro a acusá-lo foi Janusz Szymik, vítima de abusos por muitos anos. O assédio teria sido obra do padre Jan Wodniak. Szymik havia dito que havia escrito várias vezes ao cardeal em 2012, quando era titular da diocese de Cracóvia, para denunciar a violência sofrida entre 1984 e 1989. No entanto, nunca recebeu resposta. O fenômeno é tão importante que Gniezno Wojciech Polak, delegado do Episcopado para a Proteção dos Menores, apelou à Santa Sé para que pedisse o encobrimento do processo contra os bispos. Os fiéis também apelam a Bergoglio: cerca de 635 pessoas enviaram um apelo ao Papa publicado por vários jornais de todo o mundo.

Francisco já havia ordenado que os padres relatassem casos de abuso sexual e possíveis encobrimentos em 2019, durante uma cúpula sobre pedofilia realizada no Vaticano. Em 2019, a Igreja polonesa admitiu que quase 400 membros do clero abusaram sexualmente de menores nos últimos 30 anos.

O Relatório Theodore McCarrick

Uma série de mentiras, reticências e omissões que permitiram a McCarrick, um ex-cardeal, abusar de crianças, jovens e seminaristas ao longo de sua carreira. Theodore McCarrick está com 90 anos e o Papa Francisco o obrigou a renunciar ao colégio cardinalício em 27 de julho de 2018 e derrotá-lo em fevereiro de 2019. Hoje, após dois anos de pesquisas, a Santa Sé publica o “relatório McCarrick”, muito aguardado nos Estados Unidos, com noventa entrevistas com testemunhas e vítimas.

O dossiê tem uma história muito diferente em comparação com o dossiê de D. Carlo Maria Viganò, o ex-núncio dos Estados Unidos que cheira a cisma e apoiador de teorias da conspiração (incluindo a ideia de que o Papa está “do lado do Inimigo”). Ele próprio havia pedido em agosto de 2018 a renúncia de Francisco no caso McCarrick. O Relatório agora diz que a Santa Sé tomou decisões com base em “informações parciais e incompletas” e “até 2017, nenhuma alegação detalhada de abuso infantil chegou ao Vaticano”.

Há apenas três anos, teve início o processo canônico que terminou com as decisões de Francisco. Os cardeais receberam cartas de denúncia, mas não foram levadas em consideração porque “não forneceram nomes e circunstâncias”. As cartas anônimas, agora, devem ser levadas em conta de acordo com as novas orientações da Congregação para a Doutrina da Fé, ou seja, “o anonimato não deve automaticamente tornar a notícia falsa”.

Enquanto isso, o escritório de advocacia Anderson Associates, que luta em nome das vítimas de assédio clerical há mais de vinte anos, comemora a publicação do dossiê no Twitter. Na verdade, os advogados escrevem que o Relatório da Santa Sé sobre o Cardeal Theodore McCarrick “é o resultado direto das queixas de sobreviventes e vítimas que transformaram sombra em luz, luz em calor, calor em pressão e pressão em mudança”.

http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/604552-cardeal-dziwisz-secreta…